sexta-feira, 21 de dezembro de 2012

Repetições da História, por Eugénio Montoito

Eugénio Montoito "um pouco de historiador, muito de aprendiz de feiticeiro, e funcionário público autárquico assumido, com muita honra e orgulho" escreve sobre um tema candente de hoje, e de ontem, também. Para ler abaixo.




Nas minhas andanças de investigação literária e arquivística, tenho-me deparado com situações que, na sua substância, na sua oportunidade ou no seu propósito, se aproximam das realidades vividas no meu tempo.

É óbvio que o encaixe da observação deste passado na perspectiva de interpretação do presente será, sempre, diferente, independentemente, de podermos estar perante uma leitura de simples coincidência de acontecimentos, de uma casualidade provocada por iguais razões ou, até, por reconhecimento de semelhanças, influenciado pelos condicionalismos do espírito de época ou de sensibilidades ideológicas militantes. Todavia, podemos afirmar, com base no saber adquirido, que o acontecimento de hoje é (mesmo com o desconto da subjectividade da interpretação), a repetição do passado.

Ora, perante esta tese, somos de observar que os sentires, as angústias, as dúvidas e os temores do nosso quotidiano são idênticos às vividas pelos nossos pais, pelos nossos avós e, por todos aqueles que nos antecederam. Decerto, que as conversas que dantes se faziam no adro da Igreja, depois da missa e, hoje, se fazem em redor da mesa do café, falam a mesma linguagem de desespero, de incompreensão, de raiva e de incapacidade.

Como nos escreveu Miguel Real, em O Último Eça (2006), na diferença do tempo e passados cento e quarenta anos, vivemos o mesmo Portugal que Eça conheceu, onde as instituições, também, estão aberradamente constituídas, em que a classe política que nos governa é de uma forma geral medíocre e ignorante, em que o Parlamento está transformado em “centro de dia” de bate-palmas focídeos, desproporcionado ao tamanho do país e desencontrado dos seus interesses, em que os patrões se sinonimam em empresários especulativos, mais preocupados com renovação do parque automóvel pessoal do que com as novas tecnologias produtivas, em que os trabalhadores se prendem às vontades partidarizadas dos seus sindicatos, em que as elites sociais vivem obstinadas na fama mundana de o ser a qualquer preço, desde que isso não implique o ético “suor” do estudo e do trabalho; Enfim, um mesmo povo bárbaro, inculto e manobrado em crenças, clubites, passerelles dos ditames da moda ou ociosidades imbecis, agora mais próprias de deambulações por espaços comerciais ou visionamentos de serões televisivos. Como nas Farpas queirosianas «o país vive numa sonolência enfastiada… Não é uma existência, é uma expiação. [E] a certeza deste rebaixamento invadiu todas as consciências, [porque, é fácil ouvir] por toda a parte: o país está perdido!»

Igualmente, neste paralelismo do viver histórico, encontrado nas conversas dos avós dos nossos avós e nos desabafos do nosso tempo, não podemos deixar de observar que, também, existem interpretações idênticas sobre as situações de sossego, agrado ou realização. Nem tudo se resume a um pessimismo absoluto, apesar de ser difícil compreender porque é que, ainda, não se aprendeu com o passado e se repetem, constantemente, os mesmos erros. Ou seja, numa síntese de razão de resposta, sem pragmatismos fundamentalistas nem fugas para zonas cinzentas, admitimos que o Homem é um ser bipolar que age em sociedade, na transferência do tempo, dos momentos e dos exemplos, numa postura de magnânima solidariedade ou numa gananciosa individualidade, por isso a dor (ou a alegria), o desassossego ou a acalmia de hoje é a mesma de ontem. A solução prioritária, que merece o nosso cuidado e a nossa atenção, encontramo-la na ideia de Rob Riemen: “quem não aprende com a História está condenado a vê-la repetir-se”.

Resta-nos, por fim, apontar a leitura deste documento, encontrado perdido por entre papéis municipais de outros tempos e deixar o convite de se fazer o paralelismo e a repetição na História:

«Senhores Deputados da Nação Portuguesa

A Câmara Municipal do Concelho de Sintra e os abaixo assinados, proprietários do mesmo concelho, vêm mui respeitosamente pedir à Câmara dos representantes do povo, para não autorizar com o seu voto a proposta do Exº Ministro da Fazenda que vem aumentar com mais 6% as já pesadíssimas contribuições do Estado.

Senhores, ninguém desconhece as graves dificuldades com que a agricultura há muito está lutando no nosso Pais; Todos sabem que a propriedade rústica, quando muito, pode render 3% sobre um capital que a maior parte das vezes não é realizável; Todos conhecem os efeitos desgraçados da filoxera e do míldio; A baixa de preço nos mercados estrangeiros das nossas frutas de espinho, concorrência nefasta que nos está fazendo a América com as suas frutas de caroço próprias para conservas, finalmente a decadência de preço em todos os cereais, que junto ao extraordinário aumento de salários, torna quase impossíveis em determinadas zonas estes géneros de cultura.

Senhores, em vista das razões expostas esperam os abaixo assinados que a Câmara dos Representantes do Povo, em harmonia com a sua origem não sancione com o seu voto, um tão extraordinário aumento de impostos, que só uma administração nefasta e ruinosa poderia justificar.

Portanto os abaixo assinados esperam do patriotismo da Câmara dos Senhores Deputados que a proposta será rejeitada.

E. R. M.cê

[seguem-se 265 assinaturas]»

FICHA DOCUMENTAL

1. [Data]

Documento não datado. Pela apresentação gráfica e conteúdo informativo somos de atribuir uma datação compreendida no último quartel do século XIX. Aliás, a assinatura que encabeça o documento permite-nos justificar a nossa observação (António Maria Dias Pereira Chaves Mazziotti, natural de Colares, foi Secretário da Junta do Crédito Público, em representação do Governo e, em várias legislaturas, de 1880 a 1908, foi Deputado pelo Partido Progressista, representando o Círculo de Sintra – Para complemento informativo, ver: de Fernando Morais Gomes

 http://reinodeklingsor.blogspot.com/.../chaves-mazziotti-deputado-de-sintra... [página de 13 de Maio de 2011]).



Eugénio Montoito, escrevendo de acordo com a antiga ortografia.

 

Baleia, 23 de Agosto de 2012
 

Sem comentários:

Publicar um comentário